Habilidades socioemocionais.

Muita atenção está sendo dada às habilidades socioemocionais e sua importância no presente.
O rápido avanço das tecnologias eletrônicas e digitais já vinham afetando negativamente as relações interpessoais, e o isolamento social imposto por força do avanço da pandemia de Covid-19, agravou ainda mais esse quadro.
Não podemos duvidar que todos os avanços da humanidade se deram em razão do trabalho em equipe, o que exige altas doses de relações interpessoais, e, por consequência, de habilidades socioemocionais entre os envolvidos. Assim, torna-se primordial o desenvolvimento de habilidades socioemocionais, uma vez que o sujeito necessidade possuir a habilidade de se bem relacionar com as outras pessoas, seja em casa, na família, na escola ou no trabalho.
Habilidades socioemocionais são os instrumentos que podem ser usados para preencher a lacuna entre o as necessidades sociais e a pessoa socialmente isolada, e servir como propulsoras de outros tantos avanços tão necessários à humanidade.

O que são habilidade socioemocionais?
Um conjunto de capacidades desenvolvidas a partir da inteligência emocional de cada pessoa, que apontam para a sua relação consigo mesmo e também com outras pessoas. Elas ajudam a colocar em prática e melhorar atitudes como tomar decisões de maneira responsável, alcançar objetivos, demonstrar empatia, manter relações sociais positivas, entre outros benefícios.

As habilidades socioemocionais geralmente se enquadram em quatro categorias:
• Qualidades pessoais: qualidades pessoais, como se sentir bem consigo mesmo e seu trabalho, sendo responsável, educado e motivado para fazer um bom trabalho.
• Habilidades de comunicação: habilidades de comunicação incluem a habilidade de falar bem, saber ouvir, dar e compreender instruções, além de saber cominuciar-se com eficiência e objetividade.
• Habilidades de trabalho em equipe: habilidades de trabalho em equipe são aquelas necessárias para trabalhar bem com os outros, para participar como membro de uma equipe e para resolver conflitos de forma madura.
• Habilidades de resolução de problemas: a resolução de problemas envolve a identificação de
problemas e a formulação e avaliação de soluções alternativas por pesando riscos e benefícios.

Como o brincar ajuda a desenvolver habilidades socioemocionais nas crianças?
Muito se ouve falar sobre a importância do brincar na infância. Mais do que uma maneira de se divertir e de conhecer o mundo, as brincadeiras estimulam o desenvolvimento de habilidades, como criatividade, concentração e senso de colaboração.

De acordo com Adriana Friedmann, educadora e antropóloga, autora de livros como A arte de brincar e coordenadora do Mapa da Infância Brasileira, o brincar é a linguagem expressiva primordial da qual as crianças vivenciam e também desenvolvem habilidades socioemocionais.
Segundo a especialista, embora as brincadeiras e jogos tenham o potencial de desenvolver ou trazer à tona algumas habilidades, cada criança tem seu ritmo e, dependendo do perfil, das suas culturas e realidades, terão tempos diferentes para assimilá-las.
“O essencial é descobrir quais as habilidades que cada criança tem em potencial, o que acontece a partir da observação dos seus comportamentos, preferências ou dificuldades. Nesse sentido, antes de tudo, é bem importante identificar isso e apresentar às crianças diversidade de linguagens expressivas. Sem forçar”, afirma.
As habilidades socioemocionais podem ser experienciadas, mas nunca teorizadas. De acordo com Adriana, ser empático, ético, responsável, criativo e solidário, por exemplo, só é possível a partir da imitação, do faz de conta, da contação de histórias, da representação plástica, teatral, musical, escrita, entre tantas outras formas. Para ela, todas as brincadeiras, desde as mais simples até as mais complexas, em todas as faixas etárias, têm o potencial de desenvolver habilidades nas crianças.
“Com ou sem brinquedos, em contato com a natureza, brincadeiras solitárias, com seus pares, com adultos, corporais, ao ar livre, dentro de casa, simbólicas, criativas, jogos estruturados ou de tabuleiro. As brincadeiras constituem o caminho mais interessante e espontâneo em um desenvolvimento integral”, orienta Adriana.
Para os pais e responsáveis, este momento de quarentena é importante para criar um ritmo de atividades para toda a família, na medida do possível. Nesse contexto, de acordo com Adriana, é importante deixar as crianças brincarem livremente.
Segundo a especialista, vale mexer nos espaços da casa para transformá-los em um ambiente lúdico. “Montar cidades, teatros, caça ao tesouro, brincar de casinha, esconde-esconde, pique, construir brinquedos, dançar, cantar, pintar. Essas são boas atividades para praticar em conjunto. Já para crianças um pouco mais velhas, jogos de tabuleiro, adivinhação, contação de histórias, entre outras atividades, são muito válidas”, orienta Adriana. Além disso, as tarefas de casa podem tornar-se lúdicas também. Funções do dia a dia como cozinhar, limpar e arrumar armários podem se tornar atividades de aprendizado para as crianças.

Fontes:
Fundação Telefônica Vivo.
NWT – New Literacy Council.
ESCAP/ONU.
FSHS - Foundation for Strengthening Human Skill.


Imprimir  

Posts relacionados